sexta-feira, 11 de janeiro de 2008

A Execução e sua repercussão.

A minha morte seria o passo mais importante dessa etapa do trabalho.
Estava correndo riscos, e muitas vezes, pensei em voltar atrás, porém sabia que devia terminar o que tinha começado.
Programei a divulgação da minha morte para o domingo, dia dezesseis de setembro, três dias depois do meu aniversário.
Eu tinha que dar credibilidade ao boato, fazer as pessoas acreditarem, por isso o primeiro passo era o scrap em nome da minha irmã, para as pessoas da minha lista, isso era a isca para que eles fossem ao meu perfil que continha a minha proposta do projeto levantando as questões: por que vivemos, para que vivemos? E deixando a proposta de dizer “o que deve ser dito”, fazer o que deve ser dito.
Nesse primeiro texto eu fazia uma critica as relações superficiais, e pedia a todos para buscar relações mais verdadeiras e de maior entrega com seus amigos parentes... Aqueles que você gosta.
Até aqui as pessoas estariam curiosas ainda para saber por que eu morri, e seguia ao texto do projeto um link para o meu blog onde eu dizia ter as respostas para a minha morte.
Esse deslocamento tinha dois objetivos: o primeiro era de saber quantas pessoas tinham lido o projeto a partir do contador de acessos do meu blog.
E o segundo era de dar credibilidade a minha morte. O texto de despedida deveria ser um tanto triste, sentimental, pessoal, dizer o porquê da minha morte e pelo que vivi, para que tivesse mais força o meu projeto e para sensibiliza ainda mais as pessoas como ultimo artifício para fazê-las refletirem sobre o que eu quis passar.
Domingo, é sem duvida o dia em que mais pessoas entram na internet, eu queria que o máximo de pessoas visse em menos tempo possível, e também me dava o álibi para morrer no sábado quando era improvável que eu encontrasse qualquer um dos meus conhecidos.
E então, com três textos, (o scrap, o texto do meu perfil e o de despedida no blog), eu sentenciei minha morte. E metaforicamente, talvez, eu estivesse mesmo, matando confianças, credibilidade, falsas amizades, verdadeiras amizades. Com certeza, eu deixaria uma ferida naqueles que gostassem de mim, ferida metafísica, que após a verdade ser dita e o tempo passasse, ela existiria no fundo da memória das pessoas sem uma forma definida, ela seria para sempre um buraco, uma rachadura nas lembranças dos que sentiram esse meu ato.

Nenhum comentário: